Agentes catalisadores e agregadores

Em ambientes de projetos muito se debate sobre papéis e definições de responsabilidade, na teoria tudo se encaixa, os organogramas são bonitos e belas nomenclaturas são atribuídas aos colaboradores, mas na prática existe conflito e insatisfação, os responsáveis pela gestão não compreendem os motivos dos atrasos de entregas, uma vez que os requisitos foram detalhados e entregue aos colaboradores, por sua vez os colaboradores acreditam que estão fazendo seu papel de acordo com definido e está faltando recurso ou apoio da gestão.

Nesse artigo irei abordar este cenário, analisando os papéis envolvidos nas equipes de projetos através de dois agentes, catalisador e agregador.

Agentes catalisadores

Agente responsável pela coesão, por transformar recursos humanos individuais em times entrosados, direcionando seus resultados para um objetivo em comum através de uma visão definida e compartilhada entre todos os colaboradores envolvidos.

Gerente de projetos como agente catalisador

O papel do gerente de projetos como agente catalisador pode ser definido pela estratégia dividir e integrar, presente em diversas etapas do projeto, dividir visa quebrar a complexidade de problemas em pequenos blocos gerenciáveis, de modo que seja possível distribuir o trabalho, integrar diz respeito ao trabalho exercido pelo gerente para manter todos na mesma direção, além de conectar os pontos distribuídos aos colaboradores, através de sua visão unificada, possibilitando dessa forma o trabalho em equipe para criação de soluções íntegras.

Confira algumas etapas dos projetos influenciadas pela estratégia de dividir e integrar:

  • Integrar expectativas para gerar um objetivo de projeto
  • Integrar requisitos para criação do escopo do projeto
  • Integrar os planos para criação do plano de gerenciamento de projeto
  • Dividir escopo do projeto para criação da EAP
  • Dividir os pacotes da EAP para identificação das atividades
  • Integrar estimativas de prazo para criação do cronograma
  • Integrar estimativas de custos para criação do orçamento
  • Dividir as atividades do projeto entre os colaboradores
  • Integrar e orientar os colaboradores do projeto
  • Integrar as entregas do projeto

O gerente de projetos é o maior responsável pelo projeto, seus recursos e resolução de conflitos, sendo impróprio culpar determinado colaborador pelo fracasso de uma atividade ou projeto, afinal o responsável pela formação do time de projeto é do gerente de projetos, assim como seu acompanhamento e desenvolvimento para que seja possível realizar as tarefas planejadas. Para executar o papel de gerente de projetos é preciso assumir os erros do time e adaptar situações para alcançar os objetivos do projeto, através da redistribuição de tarefas, treinamentos, etc.

Agentes agregadores

Agente responsável pela geração de resultados, aplicando conhecimento para geração de valor na empresa, utilizando recursos, métodos e força de trabalho individual ou coletivo.

Time de projeto como agente agregador

No time de projeto não existe figura mais responsável por agregar resultado do que os líderes de equipe, estes agentes agregadores além de atuar na execução de atividades também são responsáveis por organizar e delegar tarefas, trabalhando como agentes híbridos, pois são o elo de conexão entre as necessidades gerenciais e os colaboradores, exigindo um entendimento sobre ambos os lados. O time de projeto é responsável pela força de trabalho, aplicando seus conhecimentos e recursos oferecidos para geração de entregas parciais. As entregas do time de projetos normalmente são integradas pelo líder de equipe e gerente de projetos, essa etapa é facilitada caso exista uma visão clara dos objetivos do projeto.

Os agentes agregadores normalmente possuem diversas segmentações de cargo, o que acaba dificultando que seja criado uma sensação de responsabilidade sobre o projeto, como existe no caso do gerente, mas o sucesso do projeto também tem vantagens para o colaborador, principalmente em organizações de crescimento acelerado, demonstrar capacidade para resolução de problemas que originalmente não lhe foram atribuídos é a melhor forma de provar que está jogando no time que deseja vencer, isso não quer dizer que todo colaborador deve procurar tarefas que não lhe foram atribuídas, esquecendo as suas ou passando por cima de seus companheiros de time, mas visando ser pró-ativo na geração de valor com foco no sucesso do projeto, ajudando ou assumindo novas responsabilidades.

Diferença salarial entre os agentes

No Brasil infelizmente existe o paradigma de que os agentes catalisadores são melhores remunerados do que os agentes agregadores, onde empresas criam planos de carreira que para conseguir melhores salários os agentes agregadores são convertidos para agentes catalisadores, cenário que pode ocorrer o efeito halo, uma forma de se criar uma pirâmide salarial. O paradigma apesar de ter pontos positivos para as empresa,  também tem seu lado negativo pois influencia na formação e entrada de jovens no mercado, que cada vez mais estão investindo nos estudos visando liderança, mesmo sem ter experiência, reduzindo ou eliminando seu tempo de colaboração como agentes agregadores, mesmo que essa seja sua aptidão.

No futebol temos um cenário diferente onde os treinadores, agentes catalisadores e os jogadores, agentes agregadores são remunerados de outra forma, existindo ótimos treinadores que recebem mais que os melhores jogadores, mas são exceções, normalmente os jogadores diferenciados recebem mais que seus treinadores. Imagine se fosse regra todo treinador receber muito mais do que os jogadores visando plano de carreira ou criação de pirâmide salarial, provavelmente iria dificultar o interesse e surgimento de revelações, além de reduzir o ciclo dos atletas como agentes agregadores nos gramados.

Conclusão

Ambos os agentes são essenciais para conclusão dos projetos, onde cada agente é exigido de acordo com as necessidades do projeto, são papéis não definições, um colaborador pode atuar como agente catalisador no projeto A e depois atuar como agente agregador no projeto B, o importante em ambos os casos é o senso de responsabilidade e comprometimento.

Grandes projetos com muitos colaboradores, fornecedores e partes interessadas possuem maiores desafios gerenciais, por outro lado projetos inovadores com times coesos possuem maiores desafios técnicos, exigindo conhecimento individual e coletivo dos agentes agregadores. Nos Estados Unidos e Europa empresas do setor tecnológico já estão reconhecendo essa realidade, existindo remuneração semelhante entre os agentes catalisadores e agregadores em determinados projetos, de acordo com seus desafios, será que no Brasil essa moda pega?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.. Campos obrigatórios são marcados com *