De primatas a astronautas

De primatas a astronautas do autor Leonard Mlodinow apresenta um odisseia com várias descobertas e personagens que conduziram nossa espécie, desde suas origens na savana africana até os dias de hoje. Através de uma narrativa agradável, Mlodinow apresenta uma visão compilada dos desafios e conquistas, que motivados pela sede de conhecimento, possibilitaram nosso cenário atual.

De primatas a astronautas
De primatas a astronautas

Sumário

  1. Nossa vontade de saber
  2. Curiosidade
  3. Cultura
  4. Civilização
  5. Razão
  6. Uma nova maneira de pensar
  7. O universo mecânico
  8. De que são feitas as coisas
  9. O mundo animado
  10. Os limites da experiência humana
  11. O reino invisível
  12. A revolução quântica

Os capítulos são apresentados em três partes: I. Quando nos erguemos; II. As ciências; e III. Além dos sentidos humanos.

Capítulo 2 – Curiosidade

No segundo capítulo do livro, Mlodinow afirma que o que diferencia os homens de outras espécies é sua capacidade e desejo de entender a si mesmo e o mundo. O desejo de compreender, refletir e criar direcionou um longo caminho que possibilitou nossa sobrevivência e a construção de um nicho ecológico único.

Neste ponto, o autor apresenta as definições de todo o gênero homo (habilis, erectus, sapiens e sapiens sapiens), além da nossa localização na árvore genealógica, que inicia em pequenos mamíferos semelhantes aos ratos, passando pelos símios até chegar no gênero homo. O autor apresenta um experimento realizado com chimpanzés e crianças entre três e cinco anos, onde uma tarefa específica foi ensinada para ambos os grupos, quando essa tarefa era finalizada uma recompensa era fornecida. Quando uma modificação foi realizada nos recursos disponíveis para realização da tarefa, tornando esta impossível de ser finalizada, observou-se que após tentativas iniciais os chimpanzés desistiram rapidamente da tarefa e consequentemente da recompensa. Por outro lado, as crianças após tentativas iniciais frustradas, mudaram seu foco para análise dos recursos disponíveis, tentando compreender o que estava errado.

Essa característica que perturba todos os pais na infância, os milhões de “Por quê?”, deve ser valorizada, pois é o que nos diferencia das outras espécies, tentar compreender e modificar nosso ambiente.

Capítulo 8 – De que são feitas as coisas

Neste capítulo, o autor explora o surgimento da química como uma ciência. Essa jornada se inicia com o surgimento do embalsamento no Egito, literalmente uma indústria gerada pela cultura local, através do que se acredita ter ocorrido através de uma longa sequência de tentativas e erros, que resultaram na identificação de conservantes que protegiam os corpos da decomposição. Neste período, as descobertas eram tratadas como receitas.

O capítulo avança passando pelo surgimento da alquimia, que embora seja referenciada muitas vezes de forma negativa, teve seu papel na história mesmo que em algum momento tenha distraído muitos estudiosos. Alguns personagens importantes para química são apresentados ao longo do capítulo, traçando uma compilação que se aproxima da química que conhecemos, como: I. Aristóteles e suas teorias, base para críticas de muitas das descobertas seguintes em diferentes ramos, cumprindo seu papel de forma semelhante à alquimia; III. Lavoisier e seu método científico, observado na física; e III. Mendeleiev e o desafio de compreender os elementos até então conhecidos e organizá-los com suas cartas de forma que um padrão fosse identificado, essa organização / classificação é o que chamamos hoje de tabela periódica.

Conclusão

Particularmente, gosto bastante dos livros do Mlodinow pela sua narrativa, mais uma vez essa característica é presente em sua obra. Os admiradores da busca pelo conhecimento, método científico, personagens históricos e cenários onde ocorreram as principais colaborações visando evoluir a ciência ao estado que conhecemos hoje, ainda em evolução, irão gostar da leitura. Acredito que este tipo de material é bastante interessante para fomentar o interesse pela ciência independente da idade, bem como Cosmos (Carl Sagan / Neil deGrasse Tyson) e outros, despertando a curiosidade nos leitores e retirando o mito sobre genialidade, alguns personagens do livro deixam isso claro.

  • Gabriel

    26/09/2017 às 14:29

    Muito boa resenha!
    Valeu fera!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *